[dropcap]U[/dropcap]ma dieta cariogênica é baseada no consumo elevado de carboidratos. O biofilme é presente em todo o indivíduo, no entanto, um biofilme potencialmente cariogênico se apresenta mais organizado e com bactérias mais seletivas. Já o hospedeiro, como um fato óbvio, precisa ter em sua boca, dentes para que esse ciclo ocorra. Ou seja, um recém-nascido que ainda não apresenta dentição não é capaz de desenvolver a doença cárie. Então, como fatores etiológicos, ou seja, fatores necessários para que o indivíduo tenha cárie dentária, é necessário dieta + biofilme + hospedeiro.

Existe uma diferença entre RISCO e ATIVIDADE de cárie. O risco antecede a doença, ou seja, se uma criança tem uma dieta com alto consumo de carboidratos e presença de biofilme, corre o risco de desenvolver a doença. Já atividade de cárie é quando existe presença de lesões ou manchas brancas ativas.

A cárie dentária é um processo dinâmico que ocorre nos depósitos microbianos e que resulta em um distúrbio do equilíbrio entre a substância do dente e os microrganismos.  Como descreveu GUEDES Pinto em 1995, tem uma incidência alta, apesar dos métodos e meios de prevenção.

Tratamento Restaurador 

  • Repara os danos da doença
  • Não atua na doença em si
  • Atendimento integral do paciente infantil
  • De acordo com o risco e atividade da doença

[tabs type=”horizontal”][tabs_head][tab_title]Conceito = é um conjunto de procedimentos que visam a promoção da saúde [/tab_title][/tabs_head][tab]

  • Diminuição dos níveis de microrganismos cariogênicos
  • Eliminação de focos infecciosos
  • Estabilização de atividade da doença cárie /periodontal
  • Favorecimento de manutenção pós-eruptiva
  • Manejo clínico
  • Preparar cavidade para tratamento restaurador-habilitador [/tab][/tabs]

Objetivos: 

  1. Atuar nos agentes etiológicos da doença
  2. Controlar o risco/ atividade de cárie
  3. Controle do foco de infecção

A mãe é uma das principais fontes de transmissão vertical dos Streptococcus do grupo Mutans para o bebê, com o período crítico sendo de 13 a 24 meses. No entanto, se o bebê não apresentar risco de doença, a presença desses microrganismos não são preocupantes. Mas é importante salientar sobre a orientação para retardar/ prevenir a contaminação.

Controle de Biofilme: 

Conjunto de medidas que tem por objetivo a remoção de placa dental e prevenção de sua recorrência. Pode ser realizada pelo próprio paciente.  [divider]

Escavação e Selamento das Lesões de Cárie: 

  • Favorece a paralização da progressão da lesão
  • Reduz microbiota bucal cariogênica
  • Remove nichos de retenção bacteriana.

Obs.: Não confundir com ART (Atraumatic Restorative Treatment)

Objetivos: 

  • Diminuir a quantidade e qualidade da microbiota
  • Formar dentina reparativa
  • Desmascarar lesões pulsares irreversíveis

Em quais dentes estão indicados: 

  • Cavidades com profundidade rasa e média
  • Quando não há envolvimento pulpar
  • Quando não apresenta indicação de exodontia
  • Não apresenta de procedimento anestésico
  • O isolamento pode ser relativo

Avaliar aspecto clínico da lesão: 

– Lesão ativa (aguda);
– Lesão inativa (crônica).

Zonas de Cárie em Dentina 

dentina cariada

Característica


Dentina Afetada

Dentina Infectada

Consistência

Firme

Amolecida
Coloração

Escura

Amarelada

Quantidade de Bactéria

105 bactérias/g

108 bactérias/g

Organização

Organizada

Desorganizada/descalcificada

Condição

Remineralizável

Não remineralizável

Quais materiais utilizar?

  • Ionômero de Vidro
  • Óxido de Zinco e Eugenol – tipo II

Sequência Técnica 

  • Isolamento relativo com rodetes de algodão;
  • Remoção somente da zona infectada de cárie com auxilio de colher de destina – ao sinal de dor, deve-se cessar a remoção;
  • Preenchimento da cavidade com ionômero de vidro (CIV) ou Óxido de Zinco e Eugenol (OZE)
  • Avaliar possibilidade de fluorterapia
  • Instruções de dieta (diário alimentar)

Para aprofundar seu conhecimento na prática clínica, adquira o livro de Odontopediatria da Sada Assed, aqui:

sada assed
Odontopediatria. Bases Científicas Para A Prática Clínica, Sada Assed.

Conteúdo baseado na aula da Prof. Sheila de Carvalho Stroppa, Odontopediatria – Universidade Positivo

 

ENVIE UMA RESPOSTA