Mucosa alveolar em forma de lâmina de faca, inseridas de um lado à superfície interna do lábio e do outro à gengiva da linha mediana dos maxilares entre os incisivos centrais. Como qualquer estrutura anatômica, o frênulo labial está sujeito a certas variações em sua forma, tamanho e posição. Sua função seria delimitar movimentos labiais, promovendo estabilização na linha média do lábio, impedindo a excessiva exposição da mucosa gengival.

Monti, 1942

Indicações:

 

Localização:

 

  • Ortodôntica
  • Protética
  • Periodontais
  • Fonéticas
  • Estética desfavorável
  • Labial
  • Bridas
  • Lingual

 

Tipos de freios Labiais

Tipo 1: Alargado, porém apresenta seus bordos direito e esquerdo paralelos;

  • Anomalia: diastema entre os ICS, que se caracteriza por seus dentes apresentarem paralelismo em seus longos eixos.

Tipo 2: Freio em forma de triângulo, cuja base coincide com o sulco gengival;

  • Anomalia: origina um diastema, cuja característica reside que os eixos dos ICS são convergentes, estando suas coroas mais próximas que seus ápices.

Tipo 3: Freio em forma triangular de base inferior;

Anomalia: origina um diastema onde os seus longos eixos são convergentes em sentido apical, sendo que, suas coroas estão amplamente separadas e seus ápices se aproximam.

Classificação de Placek, 1974:

I.            Inserção mucosa: limite muco-gengival

II.            Inserção gengival: gengiva inserida

III.            Inserção papilar: recessão gengivão

IV.            Interdentária: diastema

Indicações do tratamento a ser realizado no freio labial:

Conservadora: não se intervém cirurgicamente em um freio com pequeno volume

Cirúrgica:

  • Freio labial superior com profunda extensão para lingual.
  • Freio capaz de produzir repuxamento, do lábio superior provocando sequela estética.
  • Freios que provocam outras interferências funcionais, inclusive na fonação.
  • Quando o freio interfere na estabilidade e na retenção de aparelhos protéticos totais
  • Isquemia da papila livre e intermediária

Finalidades ortodônticas: acreditam que o momento para realizar a frenectomia é após o irrompimento dos incisivos laterais permanentes, onde através das forças naturais tivessem tido tempo para tentar o fechamento do espaço existente.

Finalidades protéticas: problemas na adaptação de próteses totais

Finalidades periodontais: dificuldade na escovação dental correta, facilitando o acumulo de restos alimentares na área cervical dos dentes. Além da tensão direta, exercida sobre a gengiva marginal, durante a movimentação do lábio e da língua deslocando a mucosa gengival do periodonto de sustentação.

Conteúdo baseado na aula do Profº Felipe Rychuv

Jefferson P. Oliveira, 23 anos. Acadêmico do curso de Odontologia da Universidade Positivo, Curitiba – PR

ENVIE UMA RESPOSTA