fixa 10 que é uma prótese fixa?
É a confecção artificial de uma coroa de um elemento dentário ou apenas parte dela.

Que tipos de materiais podemos usar para confeccionar uma prótese fixa?

Existem diversos materiais no mercado, porém com o decorrer dos anos e dos avanços científicos em termos de qualidade de materiais biocompatíveis os mais utilizados em dias atuais são: metal, cerâmica, resina composta e zircônia.

Embora existam diversos materiais na indústria Odontológica o material de escolha na grande maioria das próteses fixas são as coroas Metalo- Cerâmicas,ou seja, que apresentam uma camada superficial de cerâmica ( estética e lisura superficial) e metal ( resistência ) em sua composição.

Quais são as indicações para a confecção de uma Coroa Metalo-Cerâmica?

  • Restaurar a coroa clínica de um dente.
  • Retentor de prótese fixa.
  • Corrigir a inclinação de dentes que receberão grampos de PPRs.
  • Suporte de PPRs.
  • Quando o fator estético é importante.

Quais são as contra indicações para confecção de Coroa Metalo-Cerâmica?

  • Em situações onde o espaço interoclusal é reduzido.
  • Pacientes com parafunção (bruxismo e apertamento).

Quais são as vantagens de uma Coroa Metalo-Cerâmica?

  • Mais estético em relação à coroa total metálica e à metalo-plástica.
  • Preparo menos invasivo do que para uma coroa cerâmica.
  • Mais resistente do que uma prótese cerâmica.

Quais são as desvantagens de uma Coroa Metalo-Cerâmica?

  • Preparo mais invasivo do que para coroa total metálica ou metalo-plástica.
  • Mais friável do que uma coroa com oclusal metálica ou cerômero.
  • Em pacientes com gengiva fina a cinta metálica pode ficar aparente ( comprometendo o fator estético do tratamento)

Como deve ser confeccionado o preparo do elemento dentário para a instalação de uma coroa fixa?

Em dentes anteriores:

  • Realização dos sulcos de orientação nas faces vestibular, lingual e incisal (Utiliza-se a PD 3216 de 1,2 mm de profundidade (toda a PD) paralela em relação à superfície à ser preparada)
  • União dos sulcos de orientação utilizando a PD 3216 de 1,2 mm de profundidade obliquamente, sempre respeitando as 2 inclinações e os desgastes já definidos pelos sulcos.
  • Desgaste das faces proximais com o objetivo de eliminar a convexidade da área proximal promovendo a separação com o dente adjacente.
  • Preparo da concavidade palatina. Com a PD 3118 desgasta-se mais ou menos 1,2 mm
  • Preparo subgengival: pode ser levado para o interior do sulco gengival em 0,5 mm. Podem ser utilizadas as PDs: 3216; 3113; 2136; 283.
  • Acabamento arredondando as arestas axiais e áxio-incisais, definindo a forma e o limite do término cervical, obtendo uma linha contínua, definida e nítida.

Em dentes posteriores :

  1. Aprofundamento do sulco oclusal principal – PD 1014
  2. Sulcos de orientação nas faces vestibular, lingual e oclusal – PD 3216 – faces vestibular e lingual – 2 planos: primeiro terço cervical e médio – inclinação de 2 a 5 graus; segundo terço médio oclusal – inclinação de 5 a 10 graus.
  3. Desgaste das faces proximais – 2 PDs: PD 2200 e a PD 3216
  4. União dos sulcos de orientação – PD 2215/3216
  5. Seguindo-se os passos anteriores procede-se o preparo da outra metade do dente.
  6. Redução da cúspide funcional – PD 2215/3216
  7. Preparo subgengival e acabamento – podem ser utilizadas as PDs: 3216; 3113; 2136; 283.[divider]

Conteúdo baseado nas aulas dadas na matéria de prótese, da Universidade Positivo, com informações retiradas de livros e outras fontes.

Fontes das imagens:
Imagem destaque:  www.prodents.com
Imagem auxiliar: www.sorridere.net

Autor:

 

Victória R. Passos, 20 anos. Acadêmica do 4 ano do curso de
Odontologia, Universidade Positivo.

 

 

 

ENVIE UMA RESPOSTA