[dropcap]A[/dropcap]s Disfunções Temporomandibulares (DTM) são alterações funcionais, que comprometem a função mastigatória, a deglutição e a fala e que podem se apresentar na forma de varias alterações. Exemplo: você tem dor durante a abertura e fechamento da boca; você tem dificuldades na mastigação de determinados alimentos; você escuta barulhos de estalar na hora de abrir a boca. Essas alterações da função mandibular podem estar associadas a presença de dor. A dor durante a mastigação é um sintoma clássico de DTM, bem como a limitação de abertura da boca.

A DTM, que é multifatorial, pode ter etiologia emocional, traumática, por hiperatividade muscular, maloclusão, e estar associada a inúmeras outras causas. Tendo isso, as inúmeras terapias para a redução dos sintomas dessas disfunções são apresentadas e devem ser embasadas na etiologia previamente encontrada.

Terapia para tensões emocionais

  • Conscientização do paciente;
  • Terapia voluntária;
  • Terapia de relaxamento.

Conscientização do paciente

  •  Por que dói?
  •  Por que estala?
  •  O que é um hábito?
  •  Como ele ficou assim?
  •  O que pode ser feito?
  •  Tem cura?
  •  Como pode ser feito?
  •  Como o paciente pode colaborar?
  •  Quanto custa?

Terapia voluntária

O paciente já orientado deverá procurar evitar o que possa levá-lo a ter aumentado sua tensão emocional.

Terapia de relaxamento

Substantivo – o paciente é motivado a substituir a TE por mais lazer, exercícios, etc.

Ativo – o paciente é orientado e treinado a relaxar o músculo afetado.

Considerações importantes

  • Dificuldade de mediar o nível de TE;
  • Na certeza, fazer encaminhamento;
  • Reação positiva do paciente.

Terapia de suporte

  • São utilizados para diminuir ou eliminar os sintomas;
  • Não se relacionam e nem tem efeito sobre a causa;
  • Não tem indicação como formas de tratamento a longo prazo.

Terapia farmacológica

  •  Prescrever drogas para uso se necessário;
  •  Lembrar que certas drogas causam dependência;
  •  Entender o mecanismo da ação “rebote” de certas drogas.

Medicamentos mais usados

  •  Analgésicos;
  •  AINES/anti-inflamatórios;
  •  Corticosteróides;
  •  Relaxantes musculares;
  •  Antidepressivos tricíclicos (sem vasoconstritor);
  •  Anestésicos locais.

Terapias

1. Termoterapia – emprego do calor.

De 15 a 20′ min de calor úmido sobre a área sistomática;

2. Terapia de esfriamento – emprego do frio.

  • Gelo no local por 5 a 7′ sobre a área sintomática;
  • Spray de cloreto de etila aplicada no sentido das fibras musculares sintomáticas por 5”.

3. Excitação elétrica transcutânea – emprego do IENS.

Até 30′ de aplicação sobre a área sintomática.

4. Terapia por microcorrente.

Até 45′ de aplicação sobre a área sistomática.

5. Acupuntura.

Aplicação de agulhas em pontos específicos.

Técnicas manuais

1. Mobilização suave de tecido

  •  Massagem superficial;
  •  Massagem profunda.

2. Condicionamento muscular.

  •  Restrição do uso;
  •  Terapia de relaxamento;
  •  Alongamento passivo;
  •  Alongamento assistido;
  •  Exercícios de resistência;
  •  Exercícios de apertamento;
  •  Exercícios posturais.

3. Distração passiva.

Protocolo Basico

 

Contribuição: Leonardo Martins Sant’Anna

ENVIE UMA RESPOSTA