Linfonodos

  • São extensões nodulares de forma ovalada nas quais vasos linfáticos penetram trazendo linfa e os seus componentes
  • Consistem de tecido linfático, coberto por uma capsula de tecido conjuntivo fibroso. Temos de 400 a 600 linfonodos em cadeia em nosso corpo.
  • As principais cadeias e linfonodos são: cervical, axilar, fossa-olicraniana, ducto torácico, pre-aortico (ampola), inguinal e losango poplíteo.

  • A linfa penetra nos linfonodos através de vasos linfáticos aferentes, onde é lentamente filtrada por estruturas denominadas seios. Apos filtrada, a linfa deixa os linfonodos através dos vasos linfáticos eferentes.
  • Os microrganismos e partículas estranhas (bactérias) que são retidos nos  linfonodos através da filtragem da linfa são prontamente destruídos pelas células fagociticas (os macrófagos).

Grupo de Linfonodos:

  1. Nível I: Submentoniano e Submandibular
  2. Nível II: Jugulo Digastrico ou Jugulo-Carotidiano Alto
  3. Nível III: Jugulo- Carotidiano Medio
  4. Nível IV: Jugulo- Carotidiano Baixo
  5. Nível V: Triangulo – Posterior
  6. Nível VI:  Compartimento Anterior (avaliação de linfonodos, da glândula tireoide e da laringe – mobilidade e anatomia)

Leucócitos

São formados nos ossos e nos órgãos linfáticos. Podem ser divididos nas seguintes classes:

Leucócitos Granulares

  • Neutrófilos:
    Fazem 65% da população total dos leucócitos que provem da medula óssea;
  • Eosinófilos:
    3%, sua concentração aumenta nas reações alérgicas;
  • Basófilos:
    11% das células brancas, funções desconhecidas;

 Leucócitos

Leucócitos Não-Granulares

  • Linfócitos: 30% dos leucócitos. Originam-se dos tecidos linfáticos e da medula óssea
  • Monócitos/macrófagos: são os maiores leucócitos, tem ação fagocitária.

Macrófagos, Fagocitose

Anticorpos

Facilitam a destruição dos agentes nocivos. São formados por proteínas como globulina. Constituem o resultado final da proliferação de linfócitos “B”. Linfócitos B  que atuam de maneira eficaz nas infecções agudas e o T que são eficientes nas crônicas.

Linfócitos

Febre

É um sintoma que acompanha numerosos estados patológicos. Consiste no aumento da temperatura corporal acima de 37°, podendo atingir até 41° a 42°C. É um mecanismo para combater com mais eficácia a presença de germes invasores, tendo em vista da impossibilidade destes suportar temperatura próxima dos 40°C. Há dois mecanismos de produção da febre: microrganismos – toxinas bacterianas e via sistema imunológico – corpo estranho, linfócito. Os dois mecanismos terminam da mesma forma.

Tonsilas

Função: todas atuam como defesa adicional contra agentes infecciosos provenientes da boca e do nariz. Exercem esta função de defesa dando o alarme, formando
linfócitos através do seu tecido linfóide e produzindo anticorpos.

  • Tonsilas Faríngeas – Localizadas na faringe nasal (adenoides). Monitorar as fossas nasais;
  • Tonsilas Palatinas – Mais conhecidas por amigdalas, situadas na retro boca. Monitora o que passa;
  • Tonsila Lingual – Situada no dorso da porção da língua, das papilas valadas ate a epiglote. Mesma função da anterior.

Timo

Função: Instruir os linfócitos T e torná-los imunocompetentes

Baço

Função: Formação de linfócitos e destruição de hemácias

Apêndice

  •  Pequena porção do intestino, de formato vermiforme, cilíndrico e flexível, inserido  no ceco, abaixo da válvula ileocecal. Possui tecido linfático.

Função: Produz alguns leucócitos que contribuem na defesa da região onde se encontra.

Gânglios Linfáticos

São os lugares onde se iniciam as respostas imunológicas adaptativas frente aos
antígenos proteicos transportados pela linfa.

3 COMENTÁRIOS

ENVIE UMA RESPOSTA