O que é o Bruxismo?

Se uma criança ou um adolescente apresenta bruxismo na casa, dificilmente pais, irmãos ou pessoas que convivem no mesmo ambiente não notem o fato. Ranger ou apertar os dentes com força, chegando a apresentar sons é o que caracteriza o bruxismo. Quando se manifesta durante o dia chama-se bruxismo da vigília e na maioria das vezes ocorre em forma de apertamento dos dentes.

Em crianças mais novas, o bruxismo pode ser uma consequência da imaturidade da formação do sistema neuromuscular, apresentando-se de forma passageira, decorrente da “descoberta” dos contatos dos dentes que irromperam na cavidade bucal.

A presença de bruxismo do sono em crianças é motivo de preocupação por parte dos pais, pois a percepção do barulho de ranger de dentes pode prejudicar a qualidade do sono, afetando a saúde e a vida no dia-a-dia da família.

O bruxismo é classificado como uma desordem de movimento relacionada ao sono, cuja presença pode ou não representar um distúrbio. Para ser diagnosticado como tal é preciso que hajam queixas de alterações no sono, sonolência diurna ou fadiga.

O que causa o bruxismo na infância?

Diversos fatores podem ser associados à ocorrência de bruxismo em crianças e adolescentes. Fatores psicossociais, predisposição genética e familiar, fatores exógenos (álcool, cafeína, exposição à fumaça de cigarro, drogas ilícitas e alguns medicamentos), respiração bucal, asma e outras doenças sistêmicas têm sido associados ao bruxismo. Crianças que dormem menos de oito horas por noite e com presença de luz e barulho durante o sono são mais predispostas ao problema.

bruxismo infancia

Veja o resultado do bruxismo:

Desgastes severos nos incisivos superiores e inferiores decíduos e guia incisal dos incisivos centrais inferiores já em desgaste por atrição.
Desgastes severos nos incisivos superiores e inferiores decíduos e guia incisal dos incisivos centrais inferiores já em desgaste por atrição.

Como se faz o diagnóstico ?

O diagnóstico de bruxismo em crianças se baseia no relato dos pais/cuidadores, pois são eles que percebem o ranger ou apertar de dentes das crianças com maior fidelidade. Os desgastes excessivos dos dentes decíduos (dentes “de leite”) podem ser indicativos de bruxismo, assim como sinais e sintomas de dor e/ou fadiga da musculatura mastigatória quando estão associados ao relato de ranger de dentes. A polissonografia, exame realizado no laboratório de sono, embora não seja necessária para o diagnóstico, deve estar associada à gravação de audio e vídeo para o estabelecimento do diagnóstico definitivo de bruxismo.

Como tratar ?

Os pais muitas vezes não sabem que conduta tomar frente ao bruxismo, por isso se faz necessário o apoio do cirurgião-dentista ou do odontopediatra para o controle dos sintomas e desgastes dos dentes. O tratamento deve ser multidisciplinar, em conjunto com a medicina e a psicologia, visando a melhora na qualidade de vida do paciente e de seus familiares.

Autora:

Foto_joyceJoyce Duarte
Cirurgiã dentista – Universidade Federal do Paraná
Especialista em Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial – Universidade Federal do Paraná
Especialista em Ortodontia – Instituto Cabrera de Ortodontia
Mestranda em Odontologia – Universidade Federal do Paraná

 

Referências Bibliográficas

  1. Lam MH, Zhang J, Li AM, et al. A community study of sleep bruxism in Hong Kong children: association with comorbid sleep disorders and neurobehavioral consequences. Sleep Med. 2011;12:641–5.
  2. Cheifetz AT, Osganian SK, Allred EN, et al. Prevalence of bruxism and associated correlates in children as reported by parents. J Dent Child. 2005;72:67–73.
  3. Carra MC, Huynh N, Morton P, et al. Prevalence and risk factors of sleep bruxism and wake-time tooth clenching in a 7- to 17-yr-old population. Eur J Oral Sci. 2011;119:386–94.
  4. Montaldo, L, et al. Association between exposure to secondhand smoke and sleep bruxism in children: a randomised control study. Tobacco Control. 2012; 21: 392-396.
  5. Castroflorio T, Bargellini A, Rossini G, Cugliari G, Rainoldi A, Deregibus A. Risk factors related to sleep bruxism in children: A systematic literature review. Arch Oral Biol. 2015 Nov;60(11):1618-24.
  6. Serra-Negra JM, et al. Environmental factors, sleep duration, and sleep bruxism in Brazilian schoolchildren: a case-control study. Sleep Medicine. 2014; 15: 236–239.
  7. Carlsson GE, Egermark I, Magnusson T. Predictors of bruxism, other oral parafunctions and dental wear over a 20-year follow-up period. J Orofac Pain. 2003;17:50-57.
  8. Takagi I, Sakurai K. Investigation of the factors related to the formation of the buccal mucosa ridging. J Oral Rehabil 2003;30:565-572.
  9. Pergamalian A, Rudy TE, Zaki HS, Greco CM. The association between wear facets, bruxism, and severity of facial pain in patients with temporomandibular disorders. J Prosthet Dent. 2003; 90:194-200
  10. Lobbezoo F, Ahlberg J, Glaros AG, Kato T, Koyano K, Lavigne GJ, de Leeuw R, Manfredini D, Svensson P, Winocur E. Bruxism defined and graded: an international consensus. J Oral Rehabil. 2013; 40(1):2-4.
  11. Ferreira-Bacci AV, Cardoso CLC, Diaz-Serrano KV. Behavioral problems and emotional stress in children with bruxism. Braz Dent. J 2012;23:246-251.
  12. Herrera M, Valencia I, Grant M, Metroka D, Chialastri A, Kothare SV. Bruxism in children: effect on sleep architecture and daytime cognitive performance and behaviour. Sleep 2006;29:1143-1148.
  13. International Classification of Sleep Disorders. American Academy of Sleep Medicine, 2014.

2 COMENTÁRIOS

  1. Faltou a abordagem do cirugião dentista frente a essa alteração. O que fazer quando uma criança chega ao seu consultório com bruximso ?

    • Olá Igor, obrigada por sua pergunta.
      O cirurgião dentista deve investigar a história médica e avaliar se o bruxismo é diurno e/ou noturno e também se é primário ou secundário. Por essa razão é necessário estudar os fatores que podem estar associados ao bruxismo para que possamos agir nas suas causas, quando possível, encaminhando a criança para os profissionais adequados (otorrinolaringologista, fonoaudiólogo, psicólogo, pediatra, médico do sono) a cada problema específico, no caso de bruxismo secundário.
      Nos casos de bruxismo em dentição decídua não existe evidência científica que justifique o uso de qualquer tipo de procedimento odontológico. Porém quando se trata de dentadura mista e existem evidências sugestivas de que o bruxismo está acontecendo (relato dos pais com diário de frequência de sons de ranger de dentes+ sinais clínicos ou polissonografia), o dispositivo interoclusal rígido pode ser utilizado, sempre com controles e ajustes periódicos, de acordo com a exfoliação dos dentes decíduos e irrupção dos dentes permanentes.
      Se houver indicação ortodôntica/ortopédica para o caso, deve-se optar por aparelhos que conjuguem a mecânica ao bruxismo, para que haja maior eficiência no tratamento e proteção aos dentes.

      Dra. Joyce Duarte
      Ortodontia
      DTM e Dor Orofacial

ENVIE UMA RESPOSTA